Exposta (Vol. 2 – Trilogia Apenas uma noite)

resenha exposta trilogia apenas uma noite kyra davis
Autor: Kyra Davis
Título Original: Exposed (Just One Night, #1.2)
Editora: Editora Suma de Letras
Nota: 2,8

Se você não leu O estranho, esta resenha contém spoilers!

Sinopse: Em O estranho, primeira parte da série best-seller internacional Apenas uma noite, o mundo de Kasie vira de cabeça para baixo quando o estranho com quem passou a noite mais prazerosa de sua vida, em um hotel de Las Vegas, se revela o maior cliente da empresa em que trabalha. A proximidade de Robert Dade faz Kasie questionar a imagem controlada e modesta que construiu de si mesma, na tentativa de agradar a família e os colegas de trabalho. E o poder de atração de Robert, tanto no escritório quanto no quarto, não permite que Kasie lhe negue nada.

Nota

Atributo Nota
Capa 5
Enredo 2
Escrita 3
Personagens 2
Final 2
Classificação geral 2,8

Se O estranho foi uma surpresa ótima, Exposta foi só decepção! Eu fico tão chateada quando uma autora começa o primeiro livro bem e no segundo perde completamente o fio da meada e distorce os personagens, suas identidades e vira bagunça.

No final do primeiro livro, Dave, o noivo de Kasie descobre que está sendo traído, é desse ponto que o segundo livro começa. Dave que antes era equilibrado, timído e extremamente metódico em cada um de seus passos, enlouquece completamente quando descobre que sua noiva o está traindo.

Kasie que antes eu enxergava como uma mulher forte, que fora coagida pela vida e pela imagem que gostaria de formar para todo mundo, torna-se em uma refém frágil e sem poder nenhum, eu não consegui enxergar a Kasie do primeiro livro no segundo, ela se submete a cada humilhação que não fez sentido. Acredito que houve uma distorção da personagem, ela perdeu as características básicas e isso acabou com o enredo do livro.

exposta trilogia apenas uma noite resenha

Apesar das situações absurdas que o Dave coloca a Kasie, eu até consegui relevar porque sabe-se-lá o que pode acontecer na cabeça de uma pessoa que tem um relacionamento de seis anos com alguém e de repente descobre que está sendo traído, acho que esse é um motivo bem válido para fazer a pessoa pirar, mas eu não consegui comprar as atitudes da Kasie perante tudo isso.

Robert Dade é outro personagem que acaba por mostrar um lado obsessivo e possessivo, antes ele gostava das características da Kasie e queria libertar o que havia de melhor nela, eu superei o fato de os personagens principais terem um caso (como disse na resenha de O estranho, não sou fã de tramas que trazem traição) porque eu acreditava que Dade transformava Kasie em uma mulher melhor, uma melhor versão de si mesma, no segundo livro ele quer tomar decisões por ela e se torna insuportável, (cabô a magia pelo boy).

Nem tenho muito o que falar do enredo porque foi tão bagunçado que eu fiquei confusa demais… Eu só terminei o livro porque queria saber até que ponto iria a distorção, infelizmente, não fui surpreendida com a volta da Kasie que eu gostava. O que era para ser um enredo focado em um jogo de poder e uma mulher forte lutando pelo controle do próprio destino, tornou-se em um melodrama barato, acredito que a autora tinha uma boa idéia nas mãos e não soube executar bem. Vou acompanhar para ver se o terceiro livro irá salvar a trilogia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *