O Lado Bom da Vida

o lado bom da vida resenha
Autor:  Matthew Quick
Título Original: The Silver Linings
Editora: Editora Intrínseca
Nota: 5

Sinopse: Pat Peoples, um ex-professor na casa dos 30 anos, acaba de sair de uma instituição psiquiátrica. Convencido de que passou apenas alguns meses naquele “lugar ruim”, Pat não se lembra do que o fez ir para lá. O que sabe é que Nikki, sua esposa, quis que ficassem um “tempo separados”. Tentando recompor o quebra-cabeças de sua memória, agora repleta de lapsos, ele ainda precisa enfrentar uma realidade que não parece muito promissora. Com seu pai se recusando a falar com ele, a esposa negando-se a aceitar revê-lo e os amigos evitando comentar o que aconteceu antes da internação, Pat, agora viciado em exercícios físicos, está determinado a reorganizar as coisas e reconquistar sua mulher, porque acredita em finais felizes e no lado bom da vida. Uma história comovente e encantadora, de um homem que não desiste da felicidade, do amor e de ter esperança.

Resenha:

Nas primeiras páginas de O lado bom da vida, você de súbito percebe a relação que existe entre o personagem principal, Pat Peoples, e o título desse livro. Pat, em seus trinta e poucos anos, recém-saído de Baltimore, – um hospital psiquiátrico, ou “o lugar ruim”, como ele próprio costumava chamar – é um homem otimista. Ele acredita no lado bom das coisas e que sua vida é uma espécie de filme com um final feliz – finais felizes, vale ressaltar, a pequena obsessão de Pat e o que em grande parte o move a se tornar uma pessoa melhor ao longo da história. Ele também é um ex-professor de história e é viciado em exercícios físicos, com o objetivo de retomar a boa forma e surpreender Nikki quando acabar o tempo separados, e claro, não podemos deixar passar batido a sua paixão pelo Eagles (E!-A!-G!-L!-E!-S! Eagles!).

 

A maioria das pessoas perdeu a habilidade de ver o lado bom das coisas, embora a luz por trás das nuvens seja uma prova quase diária de que ele existe.

O livro se inicia com a saída de Pat do lugar ruim, quando sua mãe decide ir buscá-lo. Decidido a retomar sua antiga vida, reconquistar sua esposa, Nikki, e se tornar uma pessoa melhor, porém, Pat não faz a menor ideia dos acontecimentos que antecederam a sua ida à Baltimore. Ingênuo e determinado, regra a sua rotina em exercícios físicos para perder os 35 quilos extras que ganhou com o casamento, para recuperar a antiga forma e agradar a sua Nikki, assim como decide surpreendê-la lendo todos os livros da disciplina de literatura americana que ela leciona em uma espécie de maratona literária, começando por “O grande Gatsby” de Fitzgerald. Nessa lista também encontram-se: Adeus às armas, de Hemingway; A letra escarlate, de Hawthorne; A redoma de vidro, de Sylvia Plath; O apanhador no campo de centeio, de J. D. Salinger e As aventuras de Huckleberry Finn, de Mark Twain, mas a maioria deles o frustra por não terem o final desejado, o que gera uma série de cômicas opiniões contra o teor depressivo dos romances, que Pat afirma que não mostram o lado bom das coisas.

Além das leituras e dos exercícios físicos, Pat prossegue com o seu tratamento psiquiátrico tendo como terapeuta o Dr. Patel – Cliff Patel –, um indiano que acaba se tornando um amigo e aliado de Pat em busca de sua recuperação. Pela primeira vez, Pat não precisa lidar com o pessimismo dos seus anteriores terapeutas e encontra em Cliff alguém que como ele, é uma pessoa positiva e não tenta fazê-lo mudar suas convicções, no máximo, o incentiva a conviver mais com Tiffany Webster, uma jovem viúva com seus próprios problemas psicológicos, ainda sofrendo a morte do marido, Tommy. Tiffany é a irmã de Veronica, que é a esposa do seu amigo Ronnie, e por meio dos dois que Pat e Tiffany propriamente se conhecem, mas ele a considera um tanto quanto louca e excêntrica mesmo tentando estabelecer uma relação normal de amizade.

Tiffany é uma personagem que com o passar das páginas, logo você a intitula de “caixinha de surpresas”. Em um misto de força e fragilidade, constantemente tem rompantes de sinceridade, não costuma se submeter ao que querem e é determinada e decisiva, ou talvez a melhor palavra seria autoritária. E se Pat pensava em estabelecer uma relação normal de amizade, não é isso o que ocorre, ambos engatam em uma amizade esquisita, onde Tiffany o persegue em seus exercícios físicos e não poupa palavras quando pensar algo sobre ele. Mas parece que todas relações do nosso protagonista são esquisitas, inclusive, com seu pai. Nesse meio tempo, ele retoma o bom convívio com o irmão Jake, que acaba se tornando outro personagem fundamental na vida de Pat.

o lado bom da vida resenha

O lado bom da vida é narrado em primeira pessoa, e eu senti uma grande similaridade como a forma em que se escreve em um diário. Pat não apenas narra os acontecimentos como acaba comentando e detalhando tudo sobre eles. O modo como reflete sobre as nuvens, como vê a sua vida inserida em um filme dirigido por Deus, a convivência com seus familiares, sua determinação em se tornar um ser humano melhor, seu amor por Nikki, seu otimismo e seus medos, sua raiva de Kenny G, e tantas outras coisas mais, fizeram com que eu acabasse me afeiçoando, particularmente, a esse personagem tão real e o seu modo de enxergar as coisas. Acabei refletindo, juntamente com ele, sobre tudo ao meu redor, inclusive as pequenas coisas que deixamos passar despercebidas na vida. Ao término da leitura me senti incitada a reabrir o livro e recomeçá-lo imediatamente, para sentir, novamente, todas as emoções a que somos expostos com os sentimentos de Pat. Agradável, encantador e apaixonante são alguns dos adjetivos que eu uso para descrever este romance que faz com que a leitura flua com impressionante facilidade quando nos deixamos entrar na vida de todos os singulares personagens que o compõem. Vale ressaltar que essa é uma daquelas obras onde a frase: “Livros que indicam outros livros” se aplica perfeitamente, como já citado anteriormente com os livros que Pat lê em sua maratona literária, o que até fez minha lista de leitura para o ano aumentar um pouquinho.

Pra quem leu até aqui e gostou do pouco (muito) que eu escrevi sobre o livro e ainda não tem ele na estante, corre para comprar e amar essa história tanto quanto eu, e também depois me contar o que achou, certo? Boa leitura! ;D

Mais resenhas da Fran você encontra em Clube da leitura

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *